segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O Perfil do Homem Humilhado

A Necessidade de Humilhação
Todos os homens sçao devedores de estarem humilhados diante de Deus. Os crentes, com especialidade. Humilhação diante de Deus é o exercício em que o crente afirma as diferenças abissais entre si e o Senhor. Todos os crentes, na história da igreja, sempre tiveram esse compromisso em sua agenda diária. Porém, essa prática desapareceu da igreja do último século. A entronização do homem e sua supervalorização foram fatores decisivos para o abandono dessa prática, até dentro da igreja evangélica. A prática crescente de endeusar o homem afastou a prática da humilhação diária, tornando-a desconhecida da maioria esmagoadora dos crentes da atualidade. Ora, se Deus foi destronado até dentro de sua igreja, então o que dizer da prática da humilhação diante de Deus? Sumiu completamente! Hoje, o homem exige que Deus se humilhe diante dele! Por isso que assistimos ao desfile de uma geração de crentes soberbos, presunçosos, cheios de direito, cheios de "não-me-toques"; de pescoço emproado, ameaçando e acusando de constrangimento todo aquele que ousa admoestá-lo biblicamente. Por isso que cada vez menos a igreja tem cumprido seu papel de iluminar, de msotrar Jesus ao mundo, pois tem sido um redil de soberba e orgulho. Mas um basta deve ser dado a essa situação. Os crentes devem retornar com urgência à prática diária da humilhação diante de Deus, pois isso produz a humildade, a gratidão, o caráter de servo, o espírito da renúncia, da mortificação do "eu", produz o espírito da comunhão e de muitas outras graças, todas necessárias à vida da igreja. Os pastores da reforma sempre incentivaram seus rebanhos à prática da humilhação diária diante de Deus, e, então, grandes ações do Espírito do Senhor se faziam sentir no seio da igreja, pois Deus aprecia em demasia aquele que tem o coração quebrantado. Deus não despresa um coração quebrantado e contrito. Pelo contrário, Deus exalta todo aquele que se humilha, mas humilha todo aquele que se exalta.
Esse é o sermão do domingo, 30 de janeiro de 2011, o primeiro no novo local, na Rua José Florêncio de Souza nº.148, Bairro Kennedy, CEP 55.034-490, Caruaru-PE. O endereço no GPS é Sul 8º14'52.4", oeste 35º56'53.9". Guardem esse endereço e divulguem.
Faça aqui o Download do Audio do Sermão.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

As Crianças Também Precisam de Salvação

Jesus ensinou que as crianças devem ser trazidas a Ele sem impedimento algum para serem abençoacas. Mas será que elas são salvas? Será que lhe serão imputadas algum pecado?
As crianças não nascem salvas; elas carecem da graça de Deus tanto quanto os adultos. As crianças carecem de salvação. Elas precisam da salvação porque nascem sob a culpa. Elas têm a natureza corrompida por nascimento e pecam. Elas precisam da salvação e serão julgadas.
Sermão do Pr. Edson Rosendo do dia 25/08/2002, baseado em Marcos 10-13-16.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O Paradoxo da Salvação

O Sentimento de Boas Obras dos Homens
Nada é mais comum nos homens do que o sentimento de boas obras, que lhes domina o ser. A consciência - clara ou obscura - do momento do acerto de contas com o juiz de toda terra, que cada homem tem, lhe impulsiona a fazer - em meio a seus pecados - coisas que agradam a Deus. É impressionante como isso é forte nos filhos dos homens, como isso lhes domina a mente, a matéria, as conversas e os pensamentos. Por outro lado, nada é mais enganoso do que essa idéia, do que essa concepção. Sabemos que as boas obras dos homens agradam a Deus sim, e que ele devem fazer e continuar fazendo e até aumentar o seu número. Sabemos, inclusive que é muito pior não fazer as tais boas obras humanas. Porém sabemos que essas boas obras dos homens de nada adiantarão no tocante à salvção de suas almas. Não servirão sequer de atenuante. Aquele que se apresentar diante do juiz baseado nas suas obras de justiça será inapelavelmente reprovado e condenado eternamente. Para a questão da salvação, as únicas obras aceitas por Deus são as obras do seu Filho Amado, Jesus Cristo. Elas são o padrão de Deus. Toda e qualquer obra apresentada a Deus será imediatamente comparada com o padrão de qualidade que Deus tem nas mãos - as obras do seu Filho. Como as boas obras dos homens serão encontradas em falta, quando comparadas com as obras de Jesus, então não há a mínima possibilidade de alguém se salvar com base nas suas obras pessoais de bondade. Quando um homem se arrepende, então ele condena diante de si todas as sua obras (no tocante à salvação) e passa a confiar unicamente nas obras de Jesus. É por isso que a salvação é paradoxal à análise humana. O perdido que se reconhece perdido e busca a graça de Deus encontra-a e é salvo. Enquanto o "achado", que não se reconhece perdido, nunca buscará a Graça de Deus, ficando perdido eternamente. Portanto, deixe o ímpio o seu caminho e se converta ao Senhor, pois Ele é grandioso em perdoar. Buscai ao Senhor enquanto é tempo!
Esse é o sermão do Pr. Edson Rosendo, inspirado na parábola dos dois filhos, erroneamente dominada de "Parábola do filho pródigo", no domingo, Dia do Senhor, 23/01/2011, baseado em Lucas 15:11-32. Foi divido em 2 pontos que respondem ao seguinte questionamento:
Por que a salvação é um paradoxo?
1) Porque o perdido é achado e
2) Porque o achado é perdido.
Faça o Download do audio so sermão em:> 4Shared

domingo, 23 de janeiro de 2011

O Perfil do Soberbo

Sermão do domingo, Dia do Senhor, 16 de janeiro de 2011, baseado no capítulo 4 do livro do profeta Daniel.
A soberba é o sentimento que leva o sujeito a se colocar acima das coisas e das pessoas. O soberto passa a se sentir superior a todas as coisas e todas as pessoas. Foi o pecado que originou a queda de Lúcifer; foi o pecado que originou a queda do homem. É pecado dos pecados. A Escritura afirma que, quanto ao soberbo, o Senhor o conhece de longe, afirma que Deus resiste ao soberbo. A soberba causa prejuízos tremendos ao homem e aos seus circunstantes. O soberbo não crê na Escritura porque se julga acima dela. Não crê nos pregadores porque se julga acima da pregação proferida por eles. O soberbo não aceita as opiniões de Deus e, mesmo que a escute, não as cumpre. Se instado a cumpri-las, não as obedece. Ele despresa a Escritura e sua autoridade. Despreza o próprio Autor das Escrituras. Eis a razão porque Deus age tão fortemente contra os soberbos. Diariamente, assistimos as notícias acerca da queda dos soberbos: sejam presidentes de nações, políticos, famosos, religiosos ou pessoas comuns. As páginas dos jornais estão repletas de notícias dando conta da queda e abatimento dos soberbos. E as igrejas não estão isentas de comportarem membros contaminados com essa praga. Tais pessoas reprentam grande perigo contra a santidade da igreja. São pessoas que ouvidam a pregação, que escutam mas não obedecem, que discordam das autoridades eclesiásticas, mesmo contra toda evidência. São pessoas que não se regem pela Escritura no dia-a-dia, mas preferem fazer do seu jeito, segundo as suas opiniões, segundo as diretrizes do próprio coração. Essas pessoas sempre são alvos dos castigos divinos. Elas, de repente, são atingidas e passam por grandes sofrimentos, causam grandes sofrimentos às suas famílias, tudo porque não dominaram o espírito de importância pessoal, de sabedoria humana, o espírito de "eu sou mais eu", de desprezo pela Palavra profética e autoritativa. Deus, então, os abate, a cada um deles, até que deixem de olhar só para baixo e passem a olhar para cima, para o céu, a fim de que reconheçam que o céu domina, que Deus está no comando e faz todas as coisas conforme o conselho de Sua vontade.
Faça o Download em:> 4Shared

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A Dupla Tarefa de Jesus Cristo Crucificado

Sermão do Pastor Edson Rosendo de 25 de abril de 2004, baseada em Marcos 16:9-18. O texto mostra a tríplice investida de Jesus Cristo em provar aos seus discípulos a sua ressureição, e, somente depois de crerem, é que receberam a ordem de difundir o Evangelho para todo o mundo.
A mensagem foi dividia em dois pontos:
1) A tarefa de Jesus Cristo ressurreto em provar a sua ressurreição e
2) A tarefa de Jesus Cristo ressurreto em ordenar a evangelização mundial.
A tarefa da evangelização é de alta periculosidade, pois o evangelista anunciará notícias que um mundo incrédulo não gostará de ouvir. Os anunciadores do envagelho devem ser aqueles que creiam tanto na morte quanto na ressurreição de Jesus. Quem não possuir essa dupla crença, não estará autorizado a evangelizar o mundo perdido.
Esse sermão versa sobre a vital relação entre a pregação do Evangelho e o crer em Jesus Cristo ressuscitado.
Baixe o audio do sermão em WMA ou
Baixe o texto do sermão em PDF.

sábado, 15 de janeiro de 2011

A Fé Verdadeira é Acompanhada Por Obras

Sermão proferido pelo Pr. Edson Rosendo em 20 de junho de 2004, baseado no famoso texto de Tiago 2:14-26, que trata da relação entre fé e obras.
É somente a fé que justifica, mas a fé que justifica nunca está sozinha. Fé inoperante é tão inútil quanto as palavras vãs. Quem não vive de acordo com o que professa crer, não crê; a fé é o ponto inicial da obediência. A única fé que salva é a fé que segue; a fé salvadora tem uma qualidade que a distingue: é uma fé que produz obediência e motiva um estilo de vida. A fé verdadeira e viva que o Espírito Santo coloca no coração simplesmente não pode ser inoperante. Crer e obedecer sempre estão lado a lado; fé e obediência estão sempre no mesmo pacote. Aquele que obedece a Deus confia Nele, aquele que confia em Deus obedece-lhe. Somos salvos não pelos nossos feitos, mas pelo sacrifício de Cristo pelos nossos defeitos. Quando deixamos passar despercebidas nossas boas obras, Deus certamente as observará melhor. Uma pessoa infrutífera não é uma pessoa que falhou, mas um falso cristão, de fato nunca foi cristão: o fruto é a prova da raiz.
Baixe o Audio do Sermão em WMA
Baixe o Texto do Sermão em PDF

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Prejuízos e Lucros da Confissão de Pecados

O pecado e o homem não convertido têm total afinidade entre sí, porém, esse jamais deverá ser o caso do homem convertido diante do pecado. O pecado deve ser tratado com horror, com ojeriza, com repugnância, com asco. O pecado deve ser considerado pelo crente como algo indesejável, estranho, não familiar, desconhecido. Quanto mais consciência da santidade de Deus, quanto mais conhecimento das exigências de santidade pessoal, mais estranho deve ser o pecado tanto na vida pessoal, como nos arraiais santos. Verdade é que, se dissermos que não temos pecado a nós mesmos nos enganamos e a verdade não está em nós, porém, isso de modo algum deve ser entendido como uma permissão para manter pecados na vida, para uma convivência pacífica com o pecado. O pecado é estranho, é indesejável, é de fora e não faz parte do perfil do crente. Por isso, deve ser tratado com confissão imediata, com seriedade, como algo estranho, como um visitente renitente e perturbador, como intruso, como algo diante do qual Deus se contorce. Deve ser banido da vida imediatamente. O número dos pecados que chegam, deve ser igual ao número de pecados banidos imediatamente. Essa prática definirá a qualidade de vida cristã ou o fracasso da vida cristã. Essa prática definirá se seremos gigantes na fé ou míseros anões, imitação de cristãos. Essa prática definirá se agradamos a Deus ou se somos conformados com o mundo. Essa prática definirá se a nossa igreja é santa ou mundana. Quando mais consciência tivermos da malignidade do pecado, mais sensíveis nos tornaremos a ele, identificando-o rapidamente, mesmo nas suas forma s mais sutís, e assim traremos santidade à nossa vida pessoal e à vida da igreja que nos acolhe. Não se deve guardar o pecado nem por um minuto que seja, mas deve ser desmascarado imediatamente, mediante a confissão e o pedido de perdão e, dessa forma, Deus não somente perdoa, mas purifica também.
Esse é o sermão do domingo 9 de janeiro de 2011, baseado no Salmo 32. O audio não está bom, mas mesmo assim publicamos o sermão, por saber que existem muitas pessoas sedentas à espera dele.
Faça o Download em:> 4Shared

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Caminhando Rumo a Emaús

Muitas vezes andamos tristes, perplexos, desorientados, chorosos, sem esperança. Temos nossa própria "estrada para Emaús". Mas a Escritura nos mostra que a vida não é fácil e Jesus nos consola, fazendo-nos voltar à realidade, à nossa "Jerusalém", conscientes de que somos guiados pela providência de Deus.
Essa é a primeira mensagem de 2011 do Pr. Edson Rosendo, no domingo 2 de janeiro, baseada em lucas 24:13-35. Conta a história dos dois discípulos no caminho de Emaús, no domingo após a crucificação de Cristo; eles estavam arrasados, sem fé, sem esperança à caminho de Emaús. Então Jesus chega e lhes fala sobre Ele nas Escrituras e se revela no partir do pão. E eles voltam para Jerusalém.
O sermão foi dividido em dois pontos, respondendo à seguinte pergunta: Quando você está no caminho de Emaús?
1) Quando se tem uma visão errada de Jesus Cristo;
2) Quando andamos errados e mesmo assim somos avisados do perigo;
Faça o Download da mensasem em:> 4Shared
SDG